AMPARO LEGAL DAS AÇÕES CONSELHEIRAS

NO CASO DO/A(S) DEVERÁ SER FEITO ENVIANDO-SE PARA
¨ art. 228 a 244 do ECA (penais) Encaminhar notícia ao Ministério Público
¨ art. 245 a 258 do ECA (administr.) Encaminhar notícia ou ao Ministério Público ou
Representar ao Juizado da Infância
¨ crimes do Código Penal e demais leis (inclui as categorias de maus-tratos) com ausência dos pais ou colidência de interesses Encaminhar notícia solicitando designação de CuradorEspecial para andamento protetivo dos direitos ao Ministério Público
¨ crimes do Código Penal e demais leis (inclui as categorias de maus-tratos) com ausência dos pais ou colidência de interesses Encaminhar notícia solicitando designação de CuradorEspecial para andamento protetivo dos direitos ao Ministério Público
¨ ações de separação de corpos (cabível mesmo à União Estável), separação judicial, regularização de guarda, pedido de adoção, pensão alimentícia orientar o usuário à Defensoria Pública
¨ afastamento do agressor do lar encaminhar o usuário à Defensoria Pública
¨ afastamento do agressor do lar, com conivência do responsável ou colidência de interesses orientar a criança/adolescente(se possível) ou à Defensoria Pública
encaminhar notícia ao Ministério Público
¨ certidão de nascimento de criança/adolescente em atendimento:a) em cartório reconhecido na Capital;b) em cartório desconhecido da Capital;c) em cartório do Interior; em cartório fora do Estado. Requisitar a) ao cartório da Capital;b) ao Juiz da Varac) ao desembargador-Corregedor, na Seção deDivulgação e Documentação do Tribunal de Justiça.
¨ ações de perda e suspensãodo pátrio-poder Requisitar Ao ministério publico
¨ ações de responsabilidade do Poder Público por falta) ou oferta irregular de vaga escolar encaminhar o usuário ou à Defensoria Pública ou
encaminhar notícia ao Ministério Público
¨ ações de responsabilidade de órgãos por descumprimento injustificado de requisição do Conselho, conforme artigo 136, III, alínea b do ECA Representar Ao juizado da infância
¨ solicitação de exame dos expedientes do Conselho exigir identificação da parte e/ou procurador, com habilitação deste (procuração e inscrição OAB) Obs.: os expedientes não poderão sair e o exame deve ser feito nas salas do ConselhoTutelar
  • obtenção de cópias dos expedientes do Conselho Tutelar
exigir identificação da parte e/ou procurador, com habilitação deste (procuração e inscrição OAB); orientar recolhimento do pagamento no Protocolo Central e pegar a “DAM” Obs.: os expedientes não poderão sair e o exame deve ser feito nas salas do Conselho Tutelar. Proceder a expedição de cópias na SGM
¨ quando o cartório da capital nega o registro solicitar o registro do motivo da negativa, registrar e anotar 2 testemunhas que confirmem os fatos aludidos. encaminhar notícia infração pessoal (236 Estatuto da Criança e do Adolescente) ao Ministério Público, conforme‘modelo’.


Observações:

· se o colegiado concluir, como última hipótese, a necessidade de representação do(s) pai(s) para ajuizamento das ações de SPP ou PPP:

a) refletir todo o caso com levantamento dos pontos formadores deste convencimento; e

b) representar com argumentação consistente (avaliações técnicas, documentação pertinente ao atendimento, contendo aplicação de medidas e seus resultados).

· não é possível “sugerir” ou “apresentar” pessoas para assumir a guarda ou adotar (foge à competência do Conselho Tutelar decidir isto), principalmente avalizando expressamente à própria pessoa este posicionamento;

· não se pode pedir a destituição dos pais, mas sim representar a favor dos direitos da criança/adolescente, conforme artigo 136, XI do Estatuto da Criança e do Adolescente.

NO CASO DE PRAZO DEVERÁ
Criança nascido casa sem declaração de nascido vivo Logo após o nascimento 1. Comparecer ao Cartório: pais ou algum2. Impossibilidade Defensoria Pública.
Criança nascido casa sem declaração de nascido vivo Passado prazo maior (mais ou menos um mês) 1.Comparecer defensoria Pública: pais ou algum (se possível).2. Conselho Tutelar requisita judicial direto ou via MP/DP (Art. 102 do ECA).
Adolescente nascido casa sem declaração de nascido vivo Qualquer tempo 1. Comparecer Defensoria Pública:

a) pais ou algum (se possível);

b) adolescente, próprio, nome, menos de 16 anos representante, mais de 16 anos – assistido. Na falta ou negativa, suprimento judicial.

Adolescente com declaração de nascido vivo Qualquer tempo 1. Comparecer Defensoria Pública:

a) pais ou algum (se possível);

b) adolescente, próprio, nome, menos de 16 anos representante, mais de 16 anos – assistido. Na falta ou negativa, suprimento judicial.

Criança c/ declaração de nascido vivo 15 dias Pai registrar em Cartório próximo à residência ou hospital. (sem multa).

· exceção: em Cartório com distância superior a 30 km do local de nascimento o prazo é de três meses.

45 dias Mãe registrar em Cartório próximo à residência ou hospital. (sem multa).
Passado os acima (mínimo 60 dias Omissão dos pais. Parentes registrar em Cartório próximo à residência ou hospital.

* obs.: a lei 6.015 dos Registros Públicos dispõe sobre a obrigatoriedade do registro de nascimento, elencando a sucessão de pessoas que devem efetuá-lo.

Prazo maior que 3, 4 meses 1. Comparecer Defensoria Pública: pais ou algum (se possível).

2. Conselho Tutelar requisita judicial direto ou via MP/DP. (Art. 102 do ECA).

Crianças e adolescentes nascidas de mães solteiras ou que não possuem a paternidade reconhecida pelo pai. a) mãe registra sozinha e exige anotação dos dados do ‘pai’ para seguir procedimento da lei n.º 8.560/92 (aguardando).

b) mãe registra sozinha e procura Defensoria Pública para a ação de paternidade cumulada com prestação de alimentos (liminarmente).

Obs.: a indicação do ‘pai’ é sob as penas da lei, sendo crime a ‘falsa informação’.

Mãe adolescente (menos de 18 anos) registrar seu filho, com ou sem declaração de nascido vivo. Qualquer tempo Obrigatória assistência/representaçãopais.
Mãe adulta (mais de 18 anos) registrar seu filho, com ou sem declaração de nascido vivo. Qualquer tempo Não necessita assistência dos pais (pode ir sozinho).
Emancipação – Somente é concedida a adolescentes.- A partir dos 16 (dezesseis) anos, os pais podem efetuar.- Se os pais não estiverem exercendo o pátrio poder, a emancipação poderá ser solicitada ao juiz.- Será concedida automaticamente, após solicitação, a emancipação a adolescentes com idade abaixo de 18 (dezoito) anos e maior de 16 (dezesseis) anos, nas seguintes situações:1) em virtude de casamento:

2) em virtude de exercício efetivo em emprego público.

3) em virtude de colação de grau (nível superior).

4) em virtude de estabelecimento civil ou comercial com economia própria.

0 Responses to “AMPARO LEGAL DAS AÇÕES CONSELHEIRAS”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Bem-vindo! O que acessar aqui?

Blog Couto Lex's de utilidade pública, com informação especializada. Contém orientações essenciais sobre a temática na área jurídica e outras considerações transdisciplinares. Para facilitar o seu contato e esclarecer dúvidas sobre o assunto, veja abaixo um sumário dos assuntos já abordados nos posts.

Siga o Blog Via Facebook

Parceiro do Blog

 HG Couto Consultoria Publicações Eletrônicas

HG Couto Consultoria Publicações Eletrônicas

Macetes Esquematizados para Concursos Públicos

Anuncie aqui

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.