Pelo fim do preconceito com a adoção

O preconceito com o ato da adoção diminuiu. Mas ele continua na linguagem do dia-a-dia. E na mídia. É o que afirma, no post abaixo, a jornalista Germana Costa Moura, mãe de Roberto e Miguel.

Eu adoro falar e escrever sobre adoção. Frequento grupos de apoio, escrevo em um blog sobre o assunto, participo (como ouvinte) de um fórum virtual no Facebook, até uma espécie de cartilha para amigos que querem adotar eu já produzi. Tudo muito informal, do meu jeito…. Não, não sou especialista, nem advogada, nem psicóloga, nem assistente social. Sou mãe – e ponto. E, antes que você entenda errado, destaco aqui o meu ponto de vista: eu tento falar de adoção sem diferenciar a adoção, sem sacralizar a adoção. Acho que a minha melhor contribuição é exatamente essa: apenas a de mãe, uma mãe que tenta ser o mais normal possível.

Quando me perguntam como é ser mãe adotiva, respondo: como é ser uma mãe adotiva que se preocupa quando o filho tem febre? Como é ser mãe adotiva e ficar exibindo as gracinhas dos seus filhos? Como é ser mãe adotiva e tentar conciliar filhos e trabalho?

Tudo isso é para dizer o seguinte: acreditem ou não, somos uma família normal. Igualzinha às outras. A diferença é que meus filhos não foram gerados por mim e meu marido. Demoraram bastante para chegar, houve processos, uma preparação, uma habilitação na Vara da Infância. Mas, depois que chegaram, cadê a diferença?

Óbvio que a questão é trabalhada, que conversamos sobre isso em casa, que tentamos explicar tudo aos nossos filhos de uma forma amorosa para que eles cresçam sabendo a verdade sem traumas. Mas, os nove meses que perdi sem gerar meus dois filhos são hoje um detalhe há muito tempo superados pela quantidade de beijos, de abraços, de broncas, de choros, de malcriações, de abraços, de soninhos no meu colo, de banhos de banheira, de almoços demorados que já vivemos juntos. Para mim o que me importa, é se meus filhos riem, se obedecem, se ficam doentes, se dormem na hora (como seria bom se dormissem na hora!), em resumo, se estão bem.

E é em nome dessa normalidade que fico assustada quando vejo na mídia a adoção ser destacada como uma característica, um diferencial. Quer um exemplo? Quando Chico Anísio morreu, alguns de seus filhos deram entrevistas sobre o pai. Um deles, André Lucas, é filho adotivo. É tão filho de Chico como os outros seis, tem o sobrenome paterno, os mesmos direitos e inclusive até seguiu a carreira artística. Mas nenhum jornal que eu tenha lido se referiu a ele simplesmente como filho. Havia sempre o adjetivo ao lado. Para que? A matérias eram sobre adoção? Totalmente desnecessário. Agora mesmo pesquisando na Wikipedia para descobrir o nome exato desse filho em especial, encontrei a descrição: “André Lucas de Oliveira Paula é um humorista brasileiro, mais conhecido por interpretar Seu Aranha, o “Puliça”, na Escolinha do Professor Raimundo entre 1993 e 2001. É filho adotivo de Chico Anysio”. Se eu fosse o ator, tentaria mudar essa definição no Wikipedia e na mídia em geral. Para irritar mais ainda, dei de cara com este título em um site voltado para celebridades, a respeito da morte do grande comediante: “Meu pai é feito Pelé, diz filho adotivo de Chico Anysio”. (os grifo são meus)

Na minha visão, isso é preconceito da mídia. Não tem outra explicação. O mesmo acontece com os fofos filhos de Marcelo Antony. Quando o ator se casou com Carolina Villar, notei a seguinte legenda em uma das fotos de revista de celebridade: “Francisco, 8 anos, filho adotivo de Marcello Antony, chegou acompanhando o pai” (o grifo novamente é meu).

E assim vai. Meus olhos treinados encontram preconceito e exageros em toda a parte. Uma vez, em São Paulo, quase engasguei o jantar quando apareceu na TV um comercial infeliz. Um pai revelava à sua filha que não era seu pai “de verdade”. E ela respondia que tudo bem, afinal o desconto da concessionaria de automóveis era de verdade. Esqueci a marca do carro, mas merecia um boicote. Que ideia mais idiota!!!

Nas novelas, nem preciso citar. “Fina Estampa” tinha o terrível segredo de Tereza Cristina (interpretada por Cristiane Torloni): ela era filha adotiva e era capaz de matar e chantagear para esconder essa questão. Ok, é ficção, mas o que dirão nossos filhos adotivos em contato com essa mensagem? A novela acabou e “Avenida Brasil” estreou com novos casos de adoção — Jorginho, Rita/Nina, Iran e Ágata. Adorei. Pensei: Taí uma chance de reposicionar a questão. E de fato João Emanuel Carneiro, o autor, foi muito feliz, mostrando a adoção tardia de Iran por Monalisa (já viram que sou noveleira, ne?) e a de Rita pela família Argentina. Mas nos capítulos mais recentes eu ficava desesperada de deixar meu filho na sala: a frase que eu mais ouvia (aos berros pelo personagens) era: “eu sou seu filho de verdade”. A menina Ágata, filha biológica de Carminha, mas adotada por Tufão, comemorava ao descobrir que Jorginho era “filho de sangue” da Carminha: “Então ele é meu irmão de verdade!”. Vem cá, Ágata, numa boa. Ele era seu irmão de mentira???

É por aí. Como eu disse lá no começo desse texto, não existe filho de verdade ou de mentira. Filho é filho e pronto. Com esse texto, queria pedir a vocês para combater o preconceito que ainda existe contra a filiação adotiva. Está nas entrelinhas… é um rótulo que gruda e é difícil combater. Essa história de adotivo não tem importância nenhuma. A melhor resposta foi dada pela filha de uma querida amiga, uma menina linda chamada Helena, que hoje está na adolescência e disse essa frase genial lá pelos seus dez anos por aí: “Mãe, eu fui adotada, sim. Mas hoje sou filha”.

Fonte: Mulher 7 x 7 – Época

Advertisements

0 Responses to “Pelo fim do preconceito com a adoção”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Bem-vindo! O que acessar aqui?

Blog Couto Lex's de utilidade pública, com informação especializada. Contém orientações essenciais sobre a temática na área jurídica e outras considerações transdisciplinares. Para facilitar o seu contato e esclarecer dúvidas sobre o assunto, veja abaixo um sumário dos assuntos já abordados nos posts.

Parceiro do Blog

 HG Couto Consultoria Publicações Eletrônicas

HG Couto Consultoria Publicações Eletrônicas

Macetes Esquematizados para Concursos Públicos

Anuncie aqui

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.