Inflação, as domésticas e o mercado doméstico

Inflação, as domésticas e o mercado domésticoFernando Rizzolo
A observação cotidiana ainda é o melhor instrumento para avaliar a quantas anda a economia de um país, e isso tenho constatado quando, de forma quase ingênua, me pego comprando algo, ou tomando meu cafezinho no centro, observando o movimento, as pessoas, e refletindo como esse Brasil, do ponto de vista econômico, dança conforme o humor da popularidade da Presidenta Dilma.
Uma coisa é certa: que venha a inflação, mas a popularidade, ah, essa não pode cair! Nesse arsenal político rastreia-se tudo o que possa fortalecer o sagrado voto: consumo em alta, direitos trabalhistas reforçados a quem ainda não os tem por completo (como o caso das domésticas), e uma leve condescendência no trato com a inflação. Tudo isso, é claro, preparando, sim, o terreno, para, quem sabe, uma leve subidinha nas taxas de juros, já acenada ao Banco Central.
É claro que as domésticas têm o sagrado direito aos encargos, mas, com a inflação chegando, o aumento das taxas de juros rondando, o mercado doméstico já relatando um sopro de frieza, fico aqui, entre um café e outro, pensando se a presidenta, em nome do popular, vai tudo conciliar?
Vejam que antes a culpa era do dólar: desvalorizou-se o real a pedido do empresariado, lançou-se mão de instrumentos tributários para tanto, depois se descobriu que a dose fora demasiada, voltou-se atrás – afinal os investimentos estrangeiros minguaram, o que poderia afetar e pôr em risco o mercado interno e, por consequência, a popularidade –, e assim vamos indo, conciliando para agradar setores, sem na realidade enfrentarmos a essência do custo tributário e da inoperância da nossa infraestrutura, prejudicando a competitividade em temos de exportação.
Enfim, entre um café e outro, observar os efeitos da economia transcende o ato básico das compras, comprometendo inclusive meu fim de semana. Vou lembrando, entre um gole e outro do amargo café, a imensa fila de caminhões parados na entrada do Porto de Santos, que desfaz em mim qualquer pretensão de ida ao litoral. Afinal, pensar nas domésticas, deixar o mercado aquecido a qualquer preço, bater o recorde de popularidade é mais importante que a inflação, não é? E mais: quem não tem dinheiro para custear encargos de domésticos geralmente não vota no governo, costuma ir à praia no fim de semana, e adora ser servido no meio da tarde com quentinho cafezinho, outrora feito pela doméstica inviável, que acabou indo embora e me deixou com a xícara na mão, aqui no bar da esquina… Isso é que é baixa popularidade…

Fonte: Fernando Rizzolo. Inflação, as domésticas e o mercado doméstico. Revista Eletrônica Dialex. Ano XXXI   Edição nº 72   Brasília, terça-feira, 16 de abril de 2013. Ed. Consulex.

Advertisements

0 Responses to “Inflação, as domésticas e o mercado doméstico”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Bem-vindo! O que acessar aqui?

Blog Couto Lex's de utilidade pública, com informação especializada. Contém orientações essenciais sobre a temática na área jurídica e outras considerações transdisciplinares. Para facilitar o seu contato e esclarecer dúvidas sobre o assunto, veja abaixo um sumário dos assuntos já abordados nos posts.

Parceiro do Blog

 HG Couto Consultoria Publicações Eletrônicas

HG Couto Consultoria Publicações Eletrônicas

Macetes Esquematizados para Concursos Públicos

Anuncie aqui

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.