O que fazer quando o Conselho Tutelar recebe a notícia da prática de crime contra criança ou adolescente?

professor sociologia juridicaQuando o Conselho Tutelar receber a notícia da prática de crime contra criança ou adolescente, deve levar o caso imediatamente ao Ministério Público (art. 136, inciso IV, do ECA), sem prejuízo de se prontificar a aplicar, desde logo, medidas de proteção à criança ou adolescente vítima, bem como realizar um trabalho de orientação aos seus pais ou responsável.

A avaliação acerca da efetiva caracterização ou não do crime cabe ao Ministério Público, após a devida investigação do fato pela autoridade policial.

A propósito, o Conselho Tutelar não é órgão de segurança pública, e não lhe cabe a realização do trabalho de investigação policial, substituindo o papel da polícia  civil.

O que pode fazer é se prontificar a auxiliar a autoridade policial no acionamento de determinados serviços municipais que podem intervir desde logo (como psicólogos e assistentes sociais com atuação junto aos CREAS/CRAS, CAPs e outros serviços públicos municipais), inclusive para evitar a “revitimização” da criança ou adolescente, quando da coleta de provas sobre o ocorrido.

Tal intervenção (tanto do Conselho Tutelar quanto dos referidos profissionais e autoridades que devem intervir no caso), no entanto, deve invariavelmente ocorrer sob a coordenação da autoridade policial ou do Ministério Público, inclusive para evitar prejuízos na coleta de provas.

Vale lembrar que, em casos semelhantes, é preciso proceder com extrema cautela, diligência e profissionalismo, de modo a, de um lado, responsabilizar o agente e, de outro, proteger a vítima.

O próprio Conselho Tutelar pode (deve), se necessário por intermédio do Conselho Municipal dos Direitos Criança e do Adolescente (CMDCA)  local, estabelecer um “fluxo” de atendimento interinstitucional, de modo que sejam claramente definidas as providências a serem tomadas quando da notícia de casos de violência contra crianças e adolescentes, assim como as responsabilidades de cada um, de modo que o fato seja rapidamente apurado e a vítima receba o atendimento que se fizer necessário por quem de direito.

Em qualquer caso, é preciso ficar claro que todos os órgãos, serviços e autoridades co-responsáveis pelo atendimento do caso devem agir em regime de colaboração.

É preciso, em suma, materializar a tão falada “rede de proteção à criança e ao adolescente“, através da articulação de ações e da integração operacional entre os órgãos co-responsáveis.

Curta e Indique nossa Fan Page Portal Couto Lex’s para seus amigos e familiares.

facebook

1 Response to “O que fazer quando o Conselho Tutelar recebe a notícia da prática de crime contra criança ou adolescente?”


  1. 1 José Carlos Filho 11 de Dezembro de 2013 às 1:34 am

    Discordo totalmente da explicação apresentada pois ao receber denúncia da prática de crime contra criança e/ou adolescente, o(a) Conselheiro(a) Tutelar tem a obrigação de ir de imediato ao local da denúncia, verificar a veracidade do fato, quando necessário requisitará força policial, confirmada a violência, todos os envolvidos serão encaminhados à Delegacia de Polícia Civil, que abrirá inquérito policial, expedirá guia de exame de corpo delito quando houver marcas de violência e o Conselheiro Tutelar promoverá a execução de suas decisões, podendo para tanto requisitar serviços públicos nas áreas de saúde, educação, serviço social, previdência, trabalho e segurança (art. 136, III a – ECA);
    No atendimento às crianças e/ou adolescentes poderá aplicar medidas de proteção, tais como: encaminhamento aos pais ou responsável, mediante termo de responsabilidade;
    orientação, apoio e acompanhamento temporários;
    matrícula e freqüência obrigatórias em estabelecimento oficial de ensino fundamental;
    inclusão em programa comunitário ou oficial de auxílio à família, à criança e ao adolescente;
    requisição de tratamento médico, psicológico ou psiquiátrico, em regime hospitalar ou ambulatorial;
    inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio, orientação e tratamento a alcoólatras e toxicômanos e/ou; acolhimento institucional (art. 101, I a VII – ECA);
    Compete também ao Conselheiro(a) Tutelar no atendimento aos pais ou responsável, aplicar as seguinte medidas:
    encaminhamento a programa oficial ou comunitário de proteção à família;
    inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio, orientação e tratamento a alcoólatras e toxicômanos;
    encaminhamento a tratamento psicológico ou psiquiátrico;
    encaminhamento a cursos ou programas de orientação; obrigação de matricular o filho ou pupilo e acompanhar sua freqüência e aproveitamento escolar; obrigação de encaminhar a criança ou adolescente a tratamento especializado e/ou advertência (art. 129, I a VII – ECA);
    O Conselheiro(a) Tutelar tem autonomia nas suas decisões e caso nos seus procedimentos requisitar algum serviço e este não for atendido ele poderá representar junto à autoridade judiciária nos casos de descumprimento injustificado de suas deliberações (art. 136, III b – ECA) e poderá também encaminhar ao Ministério Público notícia de fato que constitua infração administrativa ou penal contra os direitos da criança ou adolescente (art. 136, IV – ECA)
    É importante afirmar que as decisões do Conselho Tutelar somente poderão ser revistas pela autoridade judiciária a pedido de quem tenha legítimo interesse (art. 137 – ECA).
    O ato de impedir ou embaraçar a ação do Conselho Tutelar no exercício de função prevista nesta Lei gera pena de detenção de seis meses a dois anos (art. 236 – ECA).
    O descumprimento da determinação do Conselho Tutelar provocará pena de multa de três a vinte salários de referência, aplicando-se o dobro em caso de reincidência.

    CONSIDERANDO, o artigo 5º do ECA que nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, PUNIDO NA FORMA DA LEI QUALQUER ATENTADO, POR AÇÃO OU OMISSÃO, aos seus direitos fundamentais.

    CONSIDERANDO, o artigo 98, I do ECA, as medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados, por ação ou OMISSÃO da sociedade ou do Estado.

    CONCLUSÃO: Caso o Conselheiro(a) Tutelar receba denúncia de violação dos direitos da criança ou do adolescente e não tome nenhuma providência de imediato para que esta violência pare e os crimes continuam a ser praticados, o Conselheiro(a) Tutelar poderá ser representado no Ministério Público pelo crime de omissão, poderá perder o cargo e responderá ainda a processo na justiça.

    José Carlos Dias dos Santos Filho
    Consultor dos Direitos da Criança e do Adolescente
    Ex-Conselheiro Tutelar de Porto Seguro, Bahia
    Discente de Pedagogia – ULBRA

    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Bem-vindo! O que acessar aqui?

Blog Couto Lex's de utilidade pública, com informação especializada. Contém orientações essenciais sobre a temática na área jurídica e outras considerações transdisciplinares. Para facilitar o seu contato e esclarecer dúvidas sobre o assunto, veja abaixo um sumário dos assuntos já abordados nos posts.

Siga o Blog Via Facebook

Parceiro do Blog

 HG Couto Consultoria Publicações Eletrônicas

HG Couto Consultoria Publicações Eletrônicas

Macetes Esquematizados para Concursos Públicos

Anuncie aqui

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.